O termo “clínica de reabilitação” costuma causar diversos receios em algumas pessoas por conta de preceitos que nada têm a ver com o que realmente se passa em uma clínica. A realidade é que uma clínica de reabilitação é onde os pacientes encontram um lugar para chamar de casa, enquanto aproveitam o tratamento para conseguir mudar suas histórias e voltar à vida em sociedade.

Durante esse tratamento, os pacientes não somente desenvolvem a capacidade de controlar a doença ou o vício que possuem, como também ganham vários conhecimentos que levarão para todos os âmbitos da vida. É um crescimento extremamente pessoal, mas que acontece em conjunto com a clínica na qual o paciente ou os seus familiares escolheram.

A primeira coisa que o paciente aprende com o tratamento em uma clínica de reabilitação é:

Como reconhecer a culpa

Ao dar entrada em uma clínica, seja de forma voluntária ou não, o paciente começa a pensar sobre o que o levou até ali. Querendo ou não, estar em um ambiente com pessoas que entendem as suas dificuldades o ajuda a admitir que cometeu erros e que não tem problema nisso – as pessoas erram e aprendem dessa forma.

Além do mais, o paciente pode também reconhecer sua culpa em outros lados de sua vida, como familiar, amoroso e em um ambiente de trabalho, por exemplo. Às vezes, a culpa é o principal impulsionador para a mudança.

Como tomar iniciativa

O próximo passo que ocorre durante o tratamento em uma clínica de reabilitação é quando o paciente decide tomar a iniciativa de se entregar de corpo e alma à intervenção e seguir em frente.

Após admitir a culpa, ele resolve ter a atitude de não dar mais desculpas para os seus comportamentos erráticos e mudar o que não está certo em sua vida, podendo estar ou não relacionados à sua doença.

pessoas de mãos dadas em um gesto de ajuda

Como pedir ajuda

A iniciativa tomada no passo anterior pode ser a entrega ao tratamento ou também a coragem de pedir ajuda para as pessoas mais próximas – a família, a equipe da clínica de reabilitação ou até mesmo os outros pacientes que, sem dúvidas, entendem muito bem a situação.

É muito importante aprender a pedir ajuda quando necessário, pois é aí que o indivíduo percebe que os outros ao seu redor podem auxiliá-lo em qualquer dificuldade que ele esteja tendo.

Qual é a causa da doença

As clínicas de reabilitação geralmente oferecem vários tipos de tratamentos, que vão desde doenças psicológicas como depressão e síndrome do pânico, até doenças como dependência química e alcoolismo. Mesmo assim, todas elas estão ligadas a um fator em comum: existe uma causa por trás.

Se uma jovem tem transtornos alimentares, por exemplo, é muito provável que a causa tenha sido uma infância e adolescência recheada de padrões irreais de beleza. Ou se um homem caiu no vício das drogas, pode ser influência de problemas familiares ou até mesmo da própria depressão.

Como falamos antes, as doenças estão bastante interligadas, então é muito comum ver pacientes com algum vício também ter alguma doença psicológica. Nessas horas, uma clínica de reabilitação com uma equipe multidisciplinar é fundamental.

Autodisciplina

No tratamento, o paciente aprende a ter disciplina consigo mesmo, ou seja, a saber quando deve dizer não para certas situações – novamente, em todos os âmbitos de sua vida. As clínicas costumam montar uma agenda com horários para que o indivíduo saiba o que tem de fazer em cada hora do seu dia.

Além disso, a autodisciplina serve para ajudá-lo a se conhecer ainda mais, o que é essencial para uma internação bem sucedida. Quando o paciente sabe quem ele é e quais são os seus objetivos, o tratamento flui com muito mais efetividade, e também o auxilia ao sair da clínica.

A arte da substituição

As pessoas internadas aprendem a substituir os seus vícios por alternativas mais saudáveis. Isso vai desde as coisas mais difíceis de lidar, como a própria dependência química ou até mesmo os pensamentos compulsivos e intrusivos.

Cada paciente demonstra uma necessidade específica, e é importante que a clínica de reabilitação possua uma equipe preparada para tratar cada uma dessas necessidades. A arte da substituição é passo primordial para o tratamento, afinal, é nessa hora que o indivíduo aprende que o prazer ou o controle que ele sente com a sua doença pode ser alcançado com coisas muito melhores.

homem superando desafios com força

Como ser mais forte

Depois que o paciente aprende a substituir os seus vícios, ele se torna mais forte do que já é, pois conseguiu superar uma das fases mais difíceis do tratamento, que é realmente tocar na doença de maneira mais direta.

Reconhecer os erros e procurar alternativas para os problemas é uma tarefa que requer muita coragem e força, por isso, o indivíduo acaba ganhando uma batalha todos os dias durante a sua permanência na clínica de reabilitação.

Habilidades artísticas

Como mencionado acima, as clínicas montam uma agenda com diversas atividades para, além de ocupar o dia dos pacientes de forma produtiva, também ensiná-los a desenvolver várias habilidades que podem se tornar um hobbie ou um emprego no futuro.

Na Clínica Viva Melhor, acreditamos no potencial dos pacientes e oferecemos atividades artísticas, como a criação e pintura de objetos, o cuidado com as plantas do jardim, entre outros. É essencial que, durante o tratamento, os indivíduos possam exercer habilidades que os ajudem a se descobrir, mesmo em um momento tão difícil.

Como se comunicar

Durante estadia na clínica de reabilitação, os pacientes têm a oportunidade de conversar entre si e dividir as experiências das suas vidas. É aí que eles aprendem a desabafar uns com os outros e percebem que demonstrar a sensibilidade não é sinal de fraqueza, mas de força e coragem.

Os indivíduos aprendem no tratamento que a comunicação é essencial para desenvolver todo e qualquer relacionamento que tiverem na vida, o que vai auxiliar na longevidade e na qualidade das relações pessoais do futuro.

Como encontrar a felicidade real

As doenças e os vícios podem fazer as pessoas acreditarem que estão no caminho certo ou que aquela sensação momentânea é felicidade, mas a verdade é que é durante o tratamento que elas aprendem o real significado deste sentimento.

Mesmo sendo um sentimento subjetivo, todos nós sabemos o que não é estar feliz, ou seja, todos os problemas que vêm das doenças definitivamente não são a felicidade. Os pacientes são capazes de identificar qual o melhor caminho a se seguir e como podem encontrá-la através da cultivação do amor próprio.

A clínica de reabilitação deve trabalhar em conjunto com o paciente nesse momento de empatia compartilhada, pois é aí onde o tratamento demonstra a sua eficácia: quando alguém, antes doente, sai completamente saudável e pronto para viver o resto de sua vida da melhor maneira possível.

A Clínica Viva Melhor tem essa responsabilidade nas mãos desde 2005, e em todos esses anos já ajudou a salvar a vida de centenas de pessoas. Se você conhece alguém que precisa de ajuda, agende uma avaliação conosco! Salve uma vida!