A dependência química é um assunto extremamente delicado, principalmente para quem convive com isso diariamente. Sendo viciado em drogas ou vendo uma pessoa querida lutando contra as substâncias, não importa: é um grande sofrimento, de qualquer forma. Por isso, não é difícil entender a quantidade de dúvidas e questionamentos em relação a como lidar com um dependente químico.

A verdade é que passa longe de ser um assunto fácil. O vício em drogas é um conjunto de problemas psicológicos, físicos e até bioquímicos. Ele pode se instaurar no indivíduo por conta de doenças como depressão e ansiedade, e vice-versa. Ou seja, existem casos em que esses transtornos psicológicos só aparecem depois do uso contínuo das substâncias químicas. Mesmo assim, é tudo uma questão interligada – de uma forma ou outra, a mente e o corpo se conectam e dependem um do outro.

Isso significa que quando um deles não está bem, o outro também é afetado. Para entender melhor como isso funciona, continue lendo.

Dependência Química

Fonte: Frankie Cordoba / Unsplash.com

Como a dependência química se desenvolve

O cérebro humano possui seu próprio mecanismo de defesa, em que faz o máximo para “impedir” que alguma coisa ruim aconteça com ele. Sabendo disso, há dois exemplos de algo que quebra essa defesa: o suicídio e a dependência, seja em qual substância for. Pegando o gancho do que citamos anteriormente sobre a conexão entre o corpo e a mente, imagine o quão danificado o cérebro deve estar para permitir que a defesa seja deixada de lado.

Imagine como o psicológico de uma pessoa deve estar partido, confuso e perdido para que ela continue no ciclo vicioso de fazer uso das drogas que ela sabe que fazem mal. Ou como esse indivíduo deve estar em um nível de dependência tão grande que não consegue passar algumas horas sem a substância.

É verdade que muitas pessoas caem na vida das drogas por situações como influência dos amigos ou curiosidade em provar, mas boa parte acaba encontrando nas substâncias a válvula de escape que precisam para os seus problemas. Às vezes, dificuldades no trabalho, faculdade, namoro ou até mesmo problemas consigo mesmo são motivos suficientes para usar drogas, pensando em simplesmente esquecer aquilo por algumas horas.

Dessa forma, a dependência química se desenvolve a partir da fragilidade do psicológico do indivíduo. Ou seja, lidar com um dependente químico é também precisar lidar com as suas dificuldades e problemas psicológicos. Por isso, é necessário muita empatia e cuidado na hora de tratar com alguém que está viciado em qualquer tipo de droga.

Dependência Química

Fonte: Malik Earnest / Unsplash.com

Como lidar com um dependente químico

A maior dúvida de você, leitor, com certeza é: mas de fato, como lidar com um dependente químico? Afinal, não é algo que já se nasce sabendo. Na realidade, aprender isso é uma questão de ambiente, ou seja, é uma questão de onde você está inserido e quais situações você vive diariamente.

Se você tem contato com alguém que seja dependente de qualquer substância, deve saber que não é uma tarefa fácil. Por mais que você tenha empatia e consiga se colocar no outro, só quem passa por essa situação sabe como é complicado. Qualquer palavra dita de uma forma errada pode ser a causa de uma grande crise entre o dependente e a família, por exemplo.

A verdade é que lidar com o dependente químico é se ver em cima de um muro. Ao mesmo tempo em que você sabe que não pode oprimi-lo, obrigá-lo ou forçá-lo a nada, afinal, a dependência química é realmente uma doença grave. No entanto, você também não pode “passar a mão na cabeça” de alguém que sabe que o que está fazendo não é nada bom.

Ou seja, isso significa que é preciso ter um jogo de cintura e saber que há momentos e momentos para cada ato. Às vezes, será uma boa alternativa ter uma discussão mais acalorada com relação ao vício e às consequências advindas dele. Assim como haverá horas em que tratá-lo com mais empatia ajudará a fortalecer os laços familiares e até mesmo a melhorar um pouco o psicológico abalado do indivíduo.

O melhor conselho que você receberá deste artigo, além de procurar uma clínica de reabilitação com tratamentos específicos para a dependência química, é: siga a sua intuição. A resposta para o questionamento “como lidar com um dependente químico?” é tão “simples” quanto essa. Como já citamos anteriormente, a família e os amigos acabam sofrendo junto com quem está abusando das substâncias, ou seja, tudo o que o indivíduo sente e passa acaba sendo repassado para as pessoas ao seu redor.

Avalie cada situação individualmente. Se há um momento em que você enxerga como necessário acolher aquela pessoa tão querida e demonstrar o seu apoio, não hesite! Você pode não ver, mas isso com certeza ajudará o indivíduo a se sentir menos sozinho. E essa sensação de ter alguém do lado como forma de suporte é uma ajuda imensa quando ele pensa em procurar a saída da vida das drogas. Por isso é tão importante estar ao lado dele quando essa hora chegar. A internação é uma montanha russa de emoções, e ter a família e os amigos ali perto é um grande alívio para a pessoa que está precisando de ajuda.

Liberdade da Dependência

Fonte: Lechenie Narkomanii / Pixabay.com

Tratamento para o dependente químico

Sabendo que a dependência química pode ser a causa e a consequência de doenças psicológicas depressão, síndrome do pânico, ansiedade, outros distúrbios da mente e também doenças físicas (por conta do abuso das substâncias), é mais do que necessário procurar um apoio médico. A melhor opção é investir em uma clínica de recuperação que saiba lidar com as dificuldades de um tratamento tão profundo e intenso como o tratamento da dependência química.

A Clínica Terapêutica Viva Melhor possui tratamentos para a dependência química, o alcoolismo, o tabagismo e vários tipos de distúrbios psíquicos físicos, como: ansiedade, síndrome do pânico, depressão, distúrbios alimentares, compulsão alimentar, dependência em internet, borderline e transtorno obsessivo compulsivo.

Nós já ajudamos a salvar centenas de vidas nos mais de 10 anos de existência. Possuímos uma equipe especializada e multidisciplinar preparada para atender a todos que precisam de auxílio para sair dessa situação complicada!

Se você quer saber mais sobre como lidar com um dependente químico ou conhece alguém que passa pelos problemas discutidos no artigo, entre em contato conosco através dos números:

(61) 3244-1810 | Brasília/DF
(81) 3032-4567 | Recife/PE
(62) 99180-1328 | Anápolis/GO

Ou, se preferir, agende uma avaliação!