A compulsão alimentar é um transtorno compulsivo em que o indivíduo sente a necessidade exagerada de comer em todos os momentos, mesmo quando está sem fome ou já satisfeito. Em muitos casos, é relacionado a um distúrbio afetivo ou de ansiedade.

A doença pode surgir por conta de dietas muito rígidas, usar a comida como conforto emocional e como forma de lidar com o estresse e problemas de imagem corporal. Além disso, pode envolver fatores psíquicos, genéticos, socioculturais e neuroquímicos.

Pesquisas revelam que 25% das pessoas que sofrem com a compulsão alimentar desenvolvem também a obesidade. Além disso, existe uma relação direta entre a compulsão alimentar e a ansiedade. A prova é tanta que cerca de 70% das pessoas com a doença possuem ansiedade, depressão ou outro tipo de transtorno psíquico.

A ansiedade é uma doença psicológica séria e vai muito além do que muitas pessoas pensam. O ansioso não é aquele que espera muito por um momento, um evento ou uma situação. Na verdade, a ansiedade é um pavor, medo, preocupação e tensão extremo e intenso, acontecendo com frequência e influenciando a vida da vítima de forma negativa.

É justamente aí onde entra a compulsão alimentar e até mesmo outros distúrbios relacionados a ela.

pessoa comendo chocolate sem limites

Fonte: Gratisography

A relação entre compulsão alimentar e ansiedade

A partir do momento que alguém sofre com a ansiedade, ela se torna suscetível a desenvolver uma compulsão alimentar, pois os dois transtornos partem de um mesmo princípio: a impulsividade.

Quando alguém come de forma compulsiva, é provável que esteja com os pensamentos ansiosos e impulsivos, fato que o faz sentir a necessidade intensa de descarregar em algo. Com isso, a comida se torna uma válvula de escape muito grande, e é aí onde está o problema. Todas as vezes que a pessoa estiver ansiosa, triste ou feliz, ela vai descontar na comida.

É importante lembrar que a vítima não consegue controlar a vontade de comer, o que significa que logo depois do consumo, a sensação de culpa e arrependimento vem à tona. A ansiedade entra nessa hora, por conta dos pensamentos intrusivos e compulsivos, onde a pessoa começa a se perguntar e se martirizar sobre o por quê de não ser capaz de parar de comer.

Alguns dos sintomas da compulsão alimentar são: comer muito rápido, comer mesmo sem fome, comer estando saciado, comer em segredo, ingerir muitos doces e salgados de forma descontrolada.

Como você percebeu, todos esses sintomas apontam para uma mesma coisa: comida. É isso que acontece com a vida de quem tem compulsão alimentar – a rotina acaba sendo baseada apenas comer.

Essa limitação acarreta na depressão e na sensação de fracasso, além da ansiedade. Indo por esse caminho, a vítima entra em um espiral de remorso, arrependimento e lamentação, o que a leva para a piora dos sintomas da própria compulsão e dos outros transtornos psicológicos.

Como a compulsão alimentar e a ansiedade funcionam

Imagine a seguinte situação: uma pessoa está passando por um momento difícil na vida, como um término de namoro ou problemas familiares. Com as dificuldades encontradas nestes momentos delicados, a ansiedade acaba surgindo, tomando conta de todos os pensamentos.

A pessoa começa a sofrer com os sintomas do transtorno, como náuseas, vômitos, problemas intestinais, falta de ar, sudorese, entre outros.

Em consequência disso, consome alimentos de alto teor calórico para acalmar a agitação que ocorre dentro dela, mas se sente culpada logo depois. Juntando a ansiedade com a culpa de ter comido tanto, essa pessoa não consegue se ajudar, ingerindo ainda mais alimentos em quantidades ainda maiores.

É um ciclo vicioso onde a vítima se vê sem saída, se fechando cada vez mais em seu próprio mundo. Por isso, um dos sinais da compulsão é o afastamento de amigos e familiares, pois a pessoa sente vergonha de ter a doença, e acredita que ninguém vai conseguir entender o que se passa com ela.

As consequências da compulsão alimentar

O grande ponto chave da compulsão alimentar é entender que quem sofre com a doença não é capaz de superá-la sozinho, afinal, ainda existem muitos preconceitos relacionados ao transtorno. Muita gente acha que quem tem compulsão alimentar é preguiçoso, descuidado e relaxado, além de acreditar que a vítima só usa a doença como uma desculpa para ingerir o que quiser.

No entanto, a verdade é que a pessoa que passa por essa dificuldade simplesmente não consegue parar de comer e, para completar, sente muita vergonha de compartilhar isso com os outros. É por isso que é tão difícil encontrar alguém que reconheça que possui a doença, pois a sociedade em geral julga bastante as pessoas compulsivas.

Inclusive, esse é um grande problema na hora de ajudar a vítima, já que ela tende a esconder a doença e até evita comer na presença de outras pessoas. Quanto antes os sintomas forem percebidos, maiores serão as chances dela começar um tratamento realmente efetivo. Por isso, é importante estar sempre atento às pessoas ao seu redor, afinal, todo mundo enfrenta uma batalha interna, porém, nem todos demonstram isso.

As consequências da compulsão alimentar são o aparecimento de diabetes, hipertensão e complicações cardiovasculares, além de transtornos psicológicos por conta da tristeza, culpa e auto exclusão – a vítima se exclui de situações sociais com os próprios amigos e familiares.

pessoa comendo batata frita

Fonte: Freestocks

Tratamento para a compulsão alimentar

Quando o corpo não está bem, a mente também é afetada, e vice versa. Como você viu nesse caso, a compulsão alimentar está diretamente ligada à ansiedade. Por isso, é preciso tratar os dois transtornos em conjunto. A Clínica Viva Melhor possui tratamentos para compulsão alimentar, ansiedade e outros tipos de transtornos psicológicos e físicos.

Nós já ajudamos a salvar centenas de vidas nos mais de 10 anos de existência. Possuímos uma equipe especializada e multidisciplinar preparada para atender a todos que precisam de auxílio para sair dessa situação tão difícil.

Se você conhece alguém que passa pelos problemas discutidos no artigo, entre em contato conosco através dos números:

(61) 3244-1810 | Brasília/DF
(81) 3032-4567 | Recife/PE
(62) 99180-1328 | Anápolis/GO

Ou, se preferir, agende uma avaliação! Ajude a salvar uma vida!